segunda-feira, 29 de junho de 2009

Eu e o meu ex

Já passaram quase 2 anos desde que nos separámos. Contudo a nossa relação de amizade, sempre foi boa e até porque temos necessidade disso, mas há quem não entenda.
Mas tirando isso, vamos à parte que interessa e que já andava para acontecer há algum tempo.
Querias passar a noite comigo e aproveitei que estava sozinha e lá fomos nós.
Perecíamos uns miúdos, quando vão dormir a casa uns dos outros e que, quando já estão na cama, não se calam.
Eu bem reparei que estavas nervoso, eu também, claro. Além de estar a ficar com algum tesão, não posso deixar de dizer que também tinha saudades.
Saudades do teu corpo perfeito, das tuas costas lindas, a tua pele macia, o teu calor, o teu toque.
Como estavas com problemas em avançar, eu nada fiz. Fiquei simplesmente sossegada à espera que investisses.
Tocaste-me nas costas, senti o primeiro arrepio. Quando passaste as mãos nas minhas nádegas, sentiste que eu estava mesmo arrepiada. Já era tesão que tinha.





Querias-me tocar no peito, então tirei o que tinha vestido, abri as pernas e senti-te tocar na minha ratinha. Depois assim do nada, foste lá com a língua. Estás mais atrevido do que estavas, mas mesmo assim precisas de mais treino. Não sou eu que te vou dar.
Virei-me de barriga para cima, não perdes tempo e vais com toda a vontade que tinhas guardada. Já manifestavas isso durante algum tempo, querias saboreá-la. Senti a tua língua tocar-lhe e os teus dedos a penetrarem-me. Bem, estava mesmo a ser bom.
Não querendo ser egoísta, levantei-me e com a minha língua, passei naquele ponto sensível que tens e que pensas que me tinha esquecido, nada disso. Comecei por brincar com ele, já tinha algumas saudades e ele também já há algum tempo que não sabia o que era isso.
Não te chupei muito porque era certinho que te viesses e então descansaste um pouco para te acalmares e eu fui buscar um preservativo.
Coloquei-o e meti-me em cima de ti, hum, tinha sim, saudades de te sentir cá dentro.
Estivemos assim um pouco, adorei enconstar o meu peito no teu e sentir o teu calor, contudo, não nos beijámos, eu achei que era melhor não.Disseste então que estavas para te vir e assim foi. Ficaste satisfeito, se ficaste, eu também fiquei embora não tenha havido orgasmo mas o prazer que me deste com a tua língua foi muito bom e não me preocupei com isso.

Antes e depois de jantar

Jantar combinado, em minha casa. Durante a tarde deu-me uma vontade imensa de me masturbar, mas queria guardar tudo para ti. Ainda tentei fazer com que viesses mais cedo, mas não consegui.
Estava mesmo ansiosa que chegasses, e avisei-te que mal entrasses, não terias tempo de dizer nada, pois iria “atacar-te” com os meus beijos, os meus abraços e com a minha enorme vontade de ti.
Tinha o jantar a fazer e não me podia distrair senão não haveria jantar para ninguém. Teríamos sim, de nos comer um ao outro, mas isso de qualquer maneira iria mesmo acontecer.
Disseste para eu vestir algo sexy. Vesti uma cueca de renda preta e uma camisola de alças justa e preta.
Assim que te abri a porta, senti vontade de te saltar em cima mas as saudades eram mais que muitas e controlei-me um pouco, mas também foi por pouco tempo.


Depois sentaste-te e quiseste-me beijar. Hum, como eu estava maluca para te sentir. Puxei-te para irmos para o quarto, já tinha tudo preparado para podermos estar à vontade.
Deitaste-te e meti-me em cima de ti para te sentir. Sabes como gosto de me roçar em cima do teu pau duro, e grande.
Estavas com saudades das minhas gémeas e quiseste vê-las, tive de interromper por causa do jantar, mas voltei rápido e surpresa, tu já estavas como Deus te deitou ao mundo, mas sem pêlos claro.
Como te adoro.
Demos um beijo longo, sentido, não sei se tocámos na alma de um do outro mas eu senti que sim. Não sei se íamos fazer sexo ou amor, mas sentia que nesse dia valia tudo. Apetecia-me ser a Eva, e manifestei esse sentimento mas quando chegaste, eu quis ser o outro lado da Eva, aquela que tem corpo, alma, sentimentos.
Trocámos umas palavras meladas e depois disso passei a Eva. Como estávamos todos nus, foi mais fácil sentir o que estava à flor da pele. Voltei a meter em cima de ti e a sentir o teu calor, desta vez, pele com pele.
Disseste-me que me querias mamar porque me estavas a dever uma. Deitei-me e abri as pernas, e eis que começas a investir na minha ratinha. Estava lisinha para ti, para a comeres.
Assim que senti a tua língua, passei-me, que bom. Pedi-te para fazeres devagar, sabes que há um ponto onde não me podem tocar, tira-me a tesão. Continuaste devagar e estavas-me a dar um prazer tão bom.
Mas sabes bem o que eu queria. Queria-te sentir dentro de mim. Meteste o preservativo e ai vou eu para cima de ti. Sabes como gosto de estar assim, gosto de comandar nessa situação. Gosto de me encaixar em ti, e quando isso acontece, o prazer é enorme, posso mesmo dizer que ninguém é capaz de me dar o que tu me dás.
Depois de encaixada, sinto que estou constantemente com vontade de me vir, mas não me venho, está a ser bom demais sentir que me estás a tocar no ponto. Até que não aguento e tenho o 1º orgasmo.
Mas não paro, continuo em cima de ti e sinto que estou completamente molhada. Tu também o consegues sentir. Voltei a sentir o tal prazer que me dás e num instante voltei a ter outro orgasmo e que viria a ser o 2º.
Já cansada e a transpirar, precisei de descansar e perguntaste se eu te queria fazer vir com a boca, eu disse que sim, com todo o gosto.
Então com a minha mão, fiz uns toques suaves mas tu estavas muito sensível. Sabes que a cabecinha é sempre o que eu mais gosto de provar primeiro, e assim fui molhando-a bem para poder abocanhá-lo à vontade, bem como tu gostas.
Depressa começaste a delirar, comecei a ouvir-te e a perceber que estavas mesmo lá perto, e assim foi, senti o teu leite quente na minha boca. Estavas de rastos. Pediste-me um tempo para desceres à Terra.
Estávamos tão cansados e cheios de fome, que nem parei para mais nada. Fui directamente à cozinha, tratar do nosso alimento. Algo me dizia que depois do jantar, íamos precisar de forças.
Jantámos, conversámos, comemos sobremesa e em seguida fomos para a sala. Foste primeiro que eu e quando cheguei, já tu estavas deitado à minha espera.
Ali, demos início a mais uma sessão de prazer, beijos molhados, carícias pelo corpo. Sinto as tuas mãos descerem até ao meu cu, acariciaste-o e eu adorei, confesso que não gosto que lhe toquem mas nesse dia valia mesmo tudo.
Tocaste também na minha cona que já estava molhada de tesão, e assim do nada, meteste um dedo nela e penetraste o meu cu com outro dedo. Nunca ninguém o fez, pois não deixo.
Fiquei louca como à muito não ficava, diria mesmo que por momentos descontrolei-me.
Puxei-te para irmos para o quarto, a cama é maior e dava-nos mais jeito.
Voltaste a mamar outra vez na minha coninha, e tive a brilhante ideia de ir buscar os meus brinquedos. Nem sabes como adorei ver-te com eles em mim.
Enquanto enfiavas um na minha cona, com a língua brincavas no clítoris, estava a ter um prazer daquelas como não tinha há muito tempo.
Depois passaste para o outro das pilhas, com ele, brincaste no clítoris e enfiavas também dentro dela, não consigo descrever o que estava a sentir. Pedi-te para enfiares o outro no cu só um pouco e foi o suficiente para sentir prazer a valer.
Deu para ver isso quando começas a ver que vou ter mais um orgasmo, o 3º orgasmo, daqueles que só tu me consegues dar.
Tive de descansar, foi intenso demais. Sabia que me querias comer o cu e então perguntei. Meteste o preservativo e eu meti-me em posição para o foderes, custou tanto a entrar, não sei porquê mas depois de lá estar dentro, foi muito bom.
Enquanto isso, eu agarrei no meu brinquedo a pilhas, e estimulei o meu clítoris, o prazer era a dobrar.
Quis exprimentar uma posição, e então pedi-te para te sentares à beira da cama. Abriste as pernas e meto-me de costas para ti. Como estava a ser bom, ora te fodia eu, ora me fodias tu. Fizeste-o mesmo com vigor, estava mesmo a gostar de sentir essa tua energia, em mim. Para te dar algum descanso, dancei um pouco para te sentir nas minhas entranhas.
Já exaustos, principalmente tu, passei ao broche. Merecias mesmo um daqueles bem feitos.
Deitei-me ao teu lado e ver como ele se babava ansioso da minha boca, tirei tantas fotos para registar o momento.
Já com pena dele e tua também, ataquei-o e assim do nada, ele desapareceu na minha boca gulosa. Gosto mesmo de chupar e a ti nem se fala. Senti que estavas quase lá e senti algo a sair mas nem sequer me apercebi que já te tinhas vindo, pois ele continuava duro, teso com vontade que eu continuasse. Mas parei, já merecíamos o devido descanso e já era muito tarde.
Não havia pressas e nem demos conta das horas passarem. Quando se tem uma boa foda, esquece-se de tudo o resto.
Descansamos um pouco e quando te levantaste disseste que até as tuas pernas tremiam de tanto esforço físico. Tens de treinar mais, e comigo de preferência.
Resta-me dizer que foi muito bom o que passámos juntos nesse dia e espero que assim o seja por muito mais tempo.




Hot Night again

Deixo aqui as palavras da pessoa que esteve comigo nesta deliciosa aventura, serás sempre especial

Já fazia 2 semanas ou mais que se falava da coisa...A ideia foi crescendo, o apetite também, acompanhado de pequenas provocações e muito erotismo.Como tudo a hora chegou, e a data também, a noite estava calma, bom tempo, sem vento e quentinho, ate a lua tinha tirado folga...
Preparei-me. Fisicamente ja fazia tempo que não me rapava, e tinha que o fazer...Ainda no banho imaginei o sabor ja conhecido de 1 ventre quente, de 1 corpo gostoso e de uma companhia fora de serie.
Vesti-me e fiz questão de nao usar roupa interior, como tantas vezes adoro andar sem...Já no carro, relembrava as anteriores situações, relembrando sempre e sem encontrar resposta o motivo por não nos encontrarmos mais vezes. Não que pensasse unicamente no objectivo que teria o encontro marcado, ms sim porque não conviviamos mais como amigos que somos....Passei a portagem e os pensamentos alteraram-se, passaram a ser mais quentes, e sempre sem saber como seria desta vez.
Relembrei que o local estaria alterado e resolvi fazer um reconhecimento previo, o que me deu logo uma visão de como estariamos mais protegidos...Já esperava estacionado quando me informas que ja me tinhas visto.
O coração dispara depois da mensagem e a adrenalina sobe...quando te vejo aproximar, por incrivel que pareça fiquei nervoso. Foi a 1ª. vez que isso aconteceu, ms fiquei...Cumprimentamo-nos, e eu aconselho-te onde deveras estacionar. Sem mais conversa arrancamos.Já juntos, e estacionados, frente a frente, sinto a tua frescura do banho tomado, a tua alegria pessoal, a tua satisfação pela minha presença, e sobretudo sinto que desta vez será diferente. Ñão sei explicar mas foi o que senti.
Tavas diferente, mais solta, mais liberta e mais bonita...Desejavas fumar, e claro que to permiti, embora não tenha acompanhado, respeitei a tua vontade...Mas...Mas...pois, mas os corpos desejavam contacto, e confesso que estava doido por sentir o nosso contacto. Queria abraçar-te, tocar-te, absorver-te, mesmo sem a intenção de nos excitar-mos. Queria mesmo so sentir-te, como que num abraço que nunca tinhamos partilhado.
Que bom que assim foi, quando te encostas-te a mim, de costas e senti todo o volume do teu corpo no meu.Toda a tua frescura e sensualidade, so separada pelo "preto" do costume, e com 1 adicional, TRAZIAS CUECA...Foi uma novidade a cueca, ms nada que incomodasse, pelo contrario....O obstaculo funcionou como incentivo e ao mesmo tempo que acabavas de fumar subia o meu calor. Sentia o teu a subir tambem, e não resisti....Trocamos beijos... Beijos profundos e molhados... Senti que nunca nos tinhamos beijado assim..
Pensei rapido. O "preto" tapa; a cueca não incomoda; a posição ta bem erotica, e ja tinhas comentado que anteriormente lamentaste não termos realizado assim...Sim, lembrei de 1 outro encontro em que estavamos mais expostos....no entanto a intensidade da nossa interacção limitava os pensamentos e dava lugar ao desejo de te sentir, de te saborear e muito principalmente, sentir o prazer que sentias não so da minha presença , ms tambem da nossa ligação selvagem e exposta na rua.
Agora não era o caso, tavamos protegidos, e bem camuflados.Beijei-te o pescoço, sempre a sentir a tua frescura...acaricio-te o corpo todo, sentindo as tuas boas curvas redondas...Toco-te nos seios, e sinto a tua busca pelo meu sexo tambem...Liberto as minhas calças, e toco na tua intimidade sobre a tua cueca...Em breve nos tocamos na carne, o desejo não permite mais tempo desperdiçado.
Sinto a tua humidade com o meu sexo latejante, e daí a tar dentro de ti nao sei que tempo decorreu, nem como foi, so me dei conta do calor do teu interior.Ha carros que passam, e so empatam momentaneamente, porque logo voltamos a nos mesmos.A dado momento sinto que a minha glande te toca no teu ponto "G", e fico doido. Uma mistura entre semi-orgasmo, e auto negação de ejacular...
Descontrai-o, faço-o com dificuldade, ms com grande prazer de sentir como gozas, como te entregas ao prazer, como disfrutas de nós...Confesso que fiquei espantado por não termos virado os carros, pela intensidade que se tinha, so prova que são bem construidos...Assumo tambem que por algum tempo, me limitei a ficar inerte só tendo como objectivo ficar integralmente dentro de ti, para sentir não só o teu prazer, como as tuas contrações e também a tua humidade. O rebolar da tua anca aliado a minha constante insistencia em te abrir ao maxino os teus luxuriantes labios vaginais, ( que tanto anceio beijar) facilitam que eu sinta em toda a minha glande o ponto em que te toco e regozijo-me com o teu estar...o teu prazer e os teus gemidos de prazer.
Gemidos ao que penso retraidos pelo local, mas profundos de emoção e sentimento selvaticamente sexuais.
A dado momento, acho que desejas-te sentir mais que a minha presença dentro de ti e das-me espaço para me movimentar. Na verdade estava também doido por isso e claro que investi.A
briste mais as pernas, baixas-te a coluna, levantas-te a anca e como que em ancia, me das o sinal para te invadir, para poder explorar livremente, para te possuir.Os carros passam, so penso em cobrir a nossa intimidade partilhada, mas sempre saboreando a posse concedida.O calor interno aumenta, as contracoes tuas começam, os teus suspiros anunciam, o ambiente é demais erotico...T
ento segurar-me, ms a tua intimidade provoca-me, a humidade aquece-me e as contracções aumentam ate que uma electrisante pulsar da tua vagina provoca a descarga ha muito refreada.
Mutuamente usufruimos de 1 momento unico e em simultaneo, magico e delicioso.
Ficamos alguns momentos ainda a disfrutar do sentimento da ligação carnal que nos une sem desejar libertarmos-nos disso.
Por fim separamo-nos, uma, com a estranha sensação de humidade e o outro com o também estranho sabor de ter sido inundado.Que sempre se celebre a amizade existente... Os momentos de prazer serão sempre bem vindos e recordados com carinho.
Bjs

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Nós


Amanhã tudo será magia, e sabes porquê? Porque juntos temos essa capacidade. A capacidade de tornar tudo mágico.

Amanhã seremos 1 só.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Bruto mas bom

Já há algum tempo que insistias em estar comigo, mas desde a altura em que me disseste onde moravas, que me assustei e até deixei de falar contigo.
Depois de algum tempo, decidi falar outra vez, nada tenho a perder e digo-te, apesar de ter sido a foda mais maluca, atrofiada e desajeitada, eu gostei de estar contigo.
És uma pessoa simples, faladora, e bruta.
Assim que sai do carro perguntaste se podias provar. Quase não deste tempo a que acendesse o meu cigarro.
Beijaste-me e perguntaste logo o que eu era. Querias resposta mas não te dei.
Tentei fumar o meu cigarro mas não me largavas. Encostaste-te ao meu carro e puxaste-me para ti. Assim que me tocaste no cabelo, vi logo que o ias puxar. Disseste que eu era uma puta e querias que eu o dissesse também.
Foste mesmo bruto, puxaste com muita força, mas estava-te a dar tesão.
Depois de eu fumar, ordenaste que metesse o teu caralho de fora, me baixasse e o mamasse, assim o fiz, doce, quente e duro.
Com as mãos, agarravas na minha cabeça e querias que o engolisse todo. Avisei-te que não conseguia. Não sou perita nisso nem ando a treinar para tal.



Viraste-me de costa para ti, levantaste o meu vestido, e roçaste-o em mim.
Tivemos mesmo de mudar de sitio visto que a foda ia ser dada na rua.
Fui atrás de ti, parámos num lugar que não me agradou. Fumamos novamente e depois disso querias tirar umas fotos às minhas mamas.
Estava frio e tu meteste-as todas de fora do vestido, mas que visão tão boa e sensação nem se fala. Adorei sentir o vento a tocar nelas.
Enquanto fui ao carro trocar a bateria do telemóvel, tu vens por trás e sem me avisares, enfias-me o caralho todo na cona, foi uma sensação indescritível visto eu não estar à espera, ainda por cima com palmadas fortes à mistura.
Ouvimos uns barulhos e parámos. Fumamos mais um cigarro e como estava frio, entraste no meu carro.
Depois de alguma conversa, investiste novamente nas minhas mamas, já estava mesmo a ver o que se ia seguir.
Passaste à minha cona e enfiaste 1 dedo, 1 dedos, e por aí em diante, até que enfiaste quase a mão toda. Já estou com tesão só de escrever isto.



E foi assim que a fodeste e foi assim que eu me vim. Depois de me vir, deste-me todos os dedos a provar e perguntaste se eu gostava do sabor da minha cona. Gosto sim.
As horas passavam e eu stressada porque tinha de ir. Mamei-te novamente e pediste para te lamber os colhões, estavas mesmo a gostar embora achasse que nunca mais te vinhas.
Para mim a pressa não ajuda nada e tiveste de ser tu mesmo a bater uma bela punheta comigo a lamber-te os colhões e a chupar a cabecinha.
Sinto finalmente o teu leite a vir para a minha boca, até que enfim pá, tinha mesmo de me ir embora.
Como tu dizes, foi uma foda atrofiada mas bem fixe e que é para repetir.

Big boy, my big boy

Mais uma vez, estivemos juntos a matar as nossas saudades.
Assim que entrei no carro, tocaste-me na perna, comentaste que estava macia.
Era uma noite de calor e convidava a andar com pouca roupa. Levei o meu vestido e umas cuecas lindas de renda preta.




Bebemos café e depois fomos até aquele sítio, onde os carros passam de vez em quando, mas que a mim já não incomoda.
Falámos um pouco, e só de estar junto de ti, senti logo como estavas duro. Bastava olhar para o volume que tinhas e digo-te, às vezes até assusta como tu consegues ficar assim com um volume tão grande. Adoro.
Como estava calor, abriste o tecto do carro. Estava um céu limpo e viam-se as estrelas. Os bancos estavam deitados assim como nós. Perguntaste se eu tinha vontade de te chupar. Mas que raio de pergunta a tua, isso não se pergunta, contigo tenho sempre vontade.
Assim que o meteste de fora, a vista era impressionante, como gosto dele, é tão apetitoso, é MEU.
Fiz-te uma bela mamada mas o tesão já tomava conta de mim e acho que percebeste isso. E então lá fomos nós passar à acção.
Preservativo e eu em cima de ti. Assim que te senti, passei-me, é perfeito como te encaixas em mim, é maravilhoso como consegues lá chegar.
Como estava a gostar de cavalgar em cima de ti, estava mesmo a ser gostoso, se estava, feita doida com ele lá dentro e com a cabeça de fora do tecto (mais uma vez para não ficar com galos como os meus queridos amigos R&A).
Tivemos de mudar de posição, e desta vez meteste-te em cima de mim, adoro deitar-me no banco e abrir as pernas à espera que entres.
Sentia bem como transpiravas e também como estavas perto de te vires. Finalmente percebo que te vens e soltas um grito impressionante, acho mesmo que as pessoas das redondezas devem de ter ouvido.
Foi tão bom sentir-te, foi tão bom estar contigo. É sempre bom.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Hot Night

Quando sai, já esperavas por mim. Gosto do teu ar, gosto de te ver quando te arranjas para vir ter comigo. Cumprimentámo-nos com um beijo nos lábios, como é costume. Senti logo o teu cheiro, cheiro esse que tanto gosto de levar comigo para casa.
Nem sequer entrámos no carro, para quê? A gente precisava de espaço mesmo e assim não ficamos com galos na cabeça, como certas pessoas (R&A).
A noite estava quente, e eu precisava de fumar um cigarro. Senti logo as tuas mãos a percorrerem o meu corpo, a puxarem-me para junto de ti. Já estavas teso e depressa o senti. Beijaste-me, com esses lábios maravilhosos, percorreste o meu pescoço, as tuas mãos tocavam os meus seios por cima da roupa.
Nessa noite, fui com o famoso vestido mas desta vez, levava cuecas.
Estacionámos os carros de um modo estratégico, de maneira a que pudéssemos ficar mais à vontade. Pensava eu que ia ser dentro do carro mas ainda bem que não foi.
Estivemos ali aos beijos e abraços, precisava de mimos nesse dia, ouviste o que eu tinha para dizer, falámos sobre isso. Sei também o que pensas e reparei que apesar de o negares, há algo que não queres admitir, mas também não precisas de o fazer.
Enquanto falávamos, eu ia-te sentindo, e de repente viras-me para eu te poder sentir por trás.
Quando dou conta, já tu estás com ele de fora. Lindo, sedoso, lisinho como eu gosto, e tu sabes disso, estava preparado para mim.




Levantaste-me o vestido e roçaste-o para sentir o calor. Que vontade tinha de te sentir dentro de mim.
Desta vez não houve oral para ninguém, nem tem de haver obrigatoriamente e esta foda foi diferente.
Pedi-te para me foderes, meteste o preservativo, e assim do nada, sinto-o a entrar. Passa um carro nessa altura, e eu com ele lá dentro e apoiada na janela do meu carro.
Meti-me direita para ninguém ver, mas estava a sentir um tesão danado só pelo facto dos carros passarem.
Voltei a apoiar-me sobre o meu carro, e tu sempre com ele lá dentro e com a cuequinha desviada para o lado.
Estava a ser divinal, e passava outro carro. E ele sempre lá dentro. Sinto que me estás a tocar naquele ponto e nesse momento quase que tenho uma explosão de prazer. Sim, estava a ter mas ainda não era o dito orgasmo.
Depois de abrandarmos algumas vezes por causa dos carros que passavam, eis que te digo que estou quase lá e vejo que tu também.
Coloco-me então de maneira a que me consigas foder com algum vigor e digo-te que me estou a vir.
Sinto que tu também estas a atingir o teu auge e assim como que com um toque de magia, temos os nossos orgasmos ao mesmo tempo.
Mas que foda tão boa que tive, que foda tão boa que és. És imprevisível e consegues-me surpreender sempre pela positiva.
Continua.

F. 

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Qual quê!!!

Meus queridos, a Eva está de férias do blogue e não das fodas. Essas, têm estado em alta, apesar de nem todas correrem bem.


quarta-feira, 17 de junho de 2009

Cansada

A Eva não anda bem, não sei se repararam nisso mas acho que anda a precisar de férias. Férias de tudo e de todos, principalmente da ignorância, da insolência de algumas pessoas.
Mas não é só isso, há muito mais para além do óbvio.


Vamos dar tempo ao tempo.

domingo, 14 de junho de 2009

Prazer alucinante

Estávamos nós nos amassos em cima da minha cama, quando de repente me tiras uma mama para fora do soutien, e começas a brincar com ela. A nossa conversa era já bastante emocionante, estava-nos a dar um gozo imenso, a troca de palavras estava-nos a levar ao extremo.
Puxas o mamilo devagar, mas assim do nada, comecei a ter um prazer estranho, diferente, estava a ter prazer, como se tivesse a foder contigo, mas não. Tu estavas pura e simplesmente a tocar-me, a acariciar-me o mamilo e isso estava a ter um efeito sobre mim, que não sei explicar. Comecei então a contrair os músculos da vagina, e com isso quase tive um orgasmo assim, sem sequer me tocar.
Depois e já vendo que estás cheio de tesão, desde que chegaste, é a minha vez de te tocar. Sentia-te a fugir quando sentias o meu toque, e tirei-te as calças. Hum, estava mesmo com saudadinhas do meu caralho preferido. Digam lá se não é um espectáculo?



Fiquei só a olhar para ele e tocar-lhe levemente, e a apreciá-lo.
Vou então com a minha boca, ao seu encontro. Faço uma 1ª investida, mas devagar, para o poder molhar um pouco, consigo ouvir os teus gemidos. Molho-o mais ainda, como tu gostas, sinto a minha mão a escorregar nele, e vou então chupando devagar.
Como estou com tesão, começo a ficar entusiasmada e pedes-me para abrandar, eu paro e olho para ti e vejo que estás no auge.
Quero gravar o momento e vou buscar o telemóvel para tirar umas fotos, que lindas ficaram.
Volto a investir nele, chupando-o devagar novamente e cada vez que o molho, tu passas-te e começo a chupar com mais força até sentir que estás lá. Começas então com aqueles gritos loucos, de quem se está para vir, faço-te sinal por causa do barulho, mas nem a isso ligaste e continuaste até que senti o teu leite na minha boca. Desta vez exageraste, vieste-te bastante, e via-se que estavas delirante e cansado do orgasmo que tiveste.
No fim, perguntas o que eu tinha feito, mas digo-te, não fiz nada de especial, simplesmente fiz o que fiz, com a alma e com aquilo que sinto por ti, se não fosse assim, não teria o prazer que me proporcionaste ao tocares-me no mamilo.

Mr. C.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Come to me

Adorei quando me ligaste para me provocares. Estavas a gostar do facto de eu estar no tabalho e tu estares a bater uma bela de uma punheta, estava-te a dar um tesão danado. Adorei a foto que enviaste antes e depois.


Quero isso para mim, quero-te sentir.

O sabor da tesão

Fui ter com ele, seguiu-me e deixámos o carro à porta da minha casa. O combinado era irmos jantar a Cascais.
Quando estacionou o carro e passou para o meu, beijou-me e senti um arrepio tão grande e com uma vontade enorme de me agarrar a ele e despenteá-lo todo, enchê-lo de beijos e tudo mais.
Fomos então para o nosso jantar. Nesse dia vesti umas calças pretas novas e calcei umas sandálias pretas e de cunha. Até eu fiquei admirada quando vi no espelho aquela figura que era eu. Tenho orgulho sim.
Quando chegámos e eu sai do carro, ele elogiou a minha indumentária, realmente estava fantástica e mesmo antes de chegarmos ao restaurante, demos logo uns beijos apaixonados e quentes, com a tesão toda à flor da pele.
Subimos e sentámos de frente um para o outro. Como gosto de olhar para ele, tocar-lhe naquelas mãos macias, tocar-lhe no rosto.
Pedimos o jantar, conversámos, e quando chega a sobremesa, brincámos um pouco com aquela mousse de chocolate cheia de chantilly, eu comecei com o meu pé, a subir pelas pernas dele, e ele envia sms a dizer que está mesmo duro e que não aguenta mais.


Em seguida pedimos o café que nunca mais chega e digo-lhe para ter calma mas ele diz que temos de nos despachar porque já não aguenta mais e que me quer sentir.
A conversa durante o jantar foi dura, porque qualquer coisa que eu falasse, ele ficava doido e depois confessou-me que já não era só a cabeça de baixo que pensava, a de cima também e não só.
A caminho do carro, ainda parámos para ver um pouco a vista magnifica que Cascais nos dá. Agarrei-o por trás e adorei senti-lo, ele também estava a gostar e depois virou-se para mim, andámos um pouco no roça- roça a trocar uns beijos loucos, e já começávamos a ficar doidos demais.
Fomos para o carro e ela agarra-me por trás e roça-se novamente em mim, mais um pouco e acho que era ali mesmo, dentro do carro.
Partimos em busca de uma farmácia de serviço, não havia preservativos e como conheço as farmácias quase todas da zona, depressa chegámos à que estava aberta.
Depois dos preservativos comprados, fomos para casa, ainda fui a tocá-lo pelo caminho, sentia bem o tesão que ele tinha.
Chegámos a casa e ele sentou-se na cama, claro que não o ia fazer esperar e então meti-me em cima dele, queria e precisava de o sentir, aquele homem dá cabo de mim.
Despi-lhe a roupa e lá estava ele todo nuzinho à espera que eu o tocasse, tinha tantas saudades dele, de tudo.
Comecei então por o chupar, incrível o prazer que tive naquele dia ao chupá-lo, é que me estava a dar um tesão louco. Talvez fosse o facto de o estar a molhar bem molhado e em chupá-lo devagar como ele gosta.
Não houve sexo oral a meu favor, porque o meu estado já não permitia mas pedi-lhe que me fodesse na mesma. Assim o fez, meteu o preservativo e eu meti-me de 4, quando o sinto entrar em mim, fico doida, não posso gemer muito porque estou em minha casa e os vizinhos depois teriam muito que falar.
Fodeu-me tão bem, só como ele sabe, eu quis mesmo foi senti-lo no cu, trocámos de preservativo e ele começa a enfiar devagar. Mais uma vez pensei não aguentar, pois a minha paixão tem um caralho delicioso, grosso e grande mas ao início custou um pouco só que depois foi a loucura total. Tive um orgasmo daqueles que gosto mesmo, orgasmos a levar no cu, são do melhor que há e para ajudar ele puxava-me os cabelos e chamava-me puta.
Depois pedi-lhe para parar porque queria que ele se viesse na minha boquinha, deitou-se e dei novamente início a uma das melhores mamadas da minha vida. Sinto que está quase lá, e continuo a molhá-lo e a chupá-lo e eis que ele está mesmo no auge e começo a ouvir os gritos controlados de quem tem um orgasmo fantástico. Gostei de sentir aquele leite na minha boca, pois tem um sabor especial.


Em seguida deitei-me nos seus braços e adormeci um pouco.

Mr. C.

terça-feira, 9 de junho de 2009

É isto que me alegra parte II

Tomei o meu banho e fui então ter com ele. Pelo caminho, ainda fumei um cigarro e como metade da minha maravilhosa e deliciosa sandes, é o meu jantar.
Quando estou para chegar, envio sms e subo. Ele notou logo que eu tinha estado a fumar e já nem me quis beijar, mas é na boa.
Esperava por mim para o café, por acaso vinha mesmo a calhar. Fomos para a sala e trocamos umas palavras, ainda rimos um pouco e depois do café bebido, passamos ao quarto. Já levava os preservativos nas mão. Ia de camisola preta e saia de ganga,sem cueca e ia de sandálias. Hum, que bom andar ao ar livre.
Já no quarto, despimo-nos, ele já estava com o caralho teso, sem mesmo haver qualquer tipo de contacto entre nós, eu também me despi, mesmo antes de se deitar na cama, não resisti aquele caralho tão lindo e delicioso que ele tem. É fantástico como ele o consegue meter na perfeição, sem pêlos, lisinho e cheiroso. Adoro tocar-lhe e sentir a pele assim.
Deitou-se e eu não perdi tempo em prová-lo. Como gosto de mamar aquele caralho, só que comecei a ficar cansada, digamos que além de ser grandinho, também é grosso e a minha boquinha não está habituada a coisas assim tão boas.
Quis fazer um belo 69, confesso que já não o fazia à muito tempo, isto porque gosto que seja feito um de cada vez. Estava a saber muito bem, ele ali a mamar na minha coninha e eu no caralho dele, só que às tantas perdi o controlo e parei, por isso não gosto de fazer, porque o prazer que me estão a dar, faz com que me esqueça de tudo.
Pedi-lhe então para me deixar deitar, abri as pernas e ele lambeu-me outra vez, enfiou-me também os dedos na coninha, o orgasmo nunca mais chegava mas sentia que estava lá muito perto mesmo. Estava a ser intenso o prazer que estava a sentir. Pedi-lhe que me fodesse a cona com os dedos e ele começou a enfiar mais fundo e com mais vigor, até que o bendito orgasmo vem. Depois de me vir, ele sabe que tem de parar, faz-me confusão continuarem-me a tocar no clítoris.
Respiro fundo e ele fica de joelhos na cama e eu sentada, aproveito para o mamar já que ele está ali pronto para mim.



Depois deita-se, é mais confortável e volto então a mamá-lo, mais uma vez os meus maxilares queixam-se, ele diz que sou fraquinha, pois, talvez sim, ou então ele é que é abonado.
Como estava bem duro, ele meteu o preservativo e quis que eu o fodesse. Meti-me em cima dele mas com cuidado, é muito grande e tive de deixar que se encaixasse na perfeição, senti que ao tentar metê-lo todo, estava a ter um prazer descomunal, sentia-o a tocar bem lá no fundo. Era eu que comandava por isso não havia dor.
Ele disse finalmente que estava todo lá dentro e ali estive um bom bocado a senti-lo e a ver e expressão no rosto dele. Perguntei se me queria ou não foder o cu, disse que sim. Meti-me de 4, ele mete lubrificante e sinto a cabecinha a entrar, que delicia de caralho ele tem , grande, grosso e trabalhador.
Teve mesmo de entrar devagar, eu não tinha a certeza se iria aguentar levar com aquele tamanho todo, não foi fácil mas depois de entrar, foi só foder, disse-lhe para me foder o cu e estava mesmo entusiasmado com isso, não podia ser muito rápido porque, digamos que é mesmo grande. Enquanto ele me fodia o cu, eu tocava-me e eis que ele o tira e tira também o preservativo para se vir na minha boca, hum, foi delicioso sim, ele ali em pé a explodir de prazer e eu a sentir o prazer dele na minha boca, foi muito intenso e isto é o que se chama uma boa foda.
Era disto que eu precisava hoje, estava mortinha.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Mais palavras






Ele -Tudo bem ... e como está o mulherão!?
Muitas aventuras?

Eu - sim

Ele -Eheheh ... maravilha, doce e picante Eva.
Live, let live, and have all the fun.
Fazes bem ... o tempo não passa e é agora que temos que aproveitar.

Eu - linda essa tua frase
posso meter no blogue?

Ele -Tudo o que digo aqui podes utilizar.
E se fizermos algo um dia, também ... mas penso que isso estará implícito eheheh
Claro que sim, linda.
usa-me

Eu - usava sim e abusava
mas nao deixas
tu nao deixas eu abusar de ti

Ele -quem?! QUEM?!

Eu - tu

Ele -Deixo, deixo ... a vida é que é macaca!
Apetecia-te hj, por exemplo?!

Eu - nem imaginas o meu estado hoje

Ele -Às 18h25 lá na estação , é?!

Eu - nao dá

Ele -Está bem?!
Não há problema ... sabes que com sede, bebe-se melhor ....
e eu quero beber-te e quero que me bebas ...
metaforica e literalmente (só agora reparei no duplo sentido, ehehehe)

Eu - lol

Ele -Tens que meter um meio-dia de férias ou folga. Adoro fazer com luz natural ... com o sol a bater na cama ...

Eu - que bom
Ui ...
adorei o que disseste
foi lindo

Ele -Pois é ... temos mesmo que combinar alguma coisa. Quero saber a que sabe a tua boca, tudo em ti.
Quero ver-te virada do avesso ... espreitar-te por todo o lado, sentir-te respirar com o corpo todo.
Quero escrever poesia com o nosso suor.

Eu - pá
ja chega
daqui a nada violo-te

Ele -(adoro jogar com as palavras ... é a coisa mais erótica que há, a seguir ao prazer dos sentidos)
vou publicar isto no blogue
viola-me pf ... desde que não deixes marcas visíveis, no jogo dos sentidos e da carne vale tudo.
adorei e quero que os outros entendam que as palavras valem muito
Muito ... são claramente subestimadas por muitos.
Temos que dizer coisas sussuradas, portanto ...
Semana que vem, vê lá se estás disponível, com todo o teu corpo pronto para me receber. Conseguiremos encontrar uma data, um sítio, o nosso tempo e espaço.

Eu - vamos ver
quero-te sentir em grande

Ele -Claro ... faremos o possível, Mais, é errar.
Serei grande para ti ... em ti, contigo.

Eu - bem se fores como escreves
nao sei


Mais não será revelado, até porque a conversa continuou e agora fica só entre mim e ele.

Palavras

Aqui ficam algumas palavras que me deixam "babada". Não, não digam que isto é só para me dar graxa, quem me conhece sabe que não é preciso isso seja para o que for.


Ele - tinha dito que és realmente uma MULHER e peras
eu podia dizer que e pena nao haver mais mulher como tu mas nao digo
ainda bem que nao pois assim es unica
diferente especial intensa e plena

Eu - vou copiar isso pro blogue
lol

Ele - olha que os outros vao ficar com ciumes

Eu - nada disso
mas talvez nao o faça
porque com os ciumes vão dizer que é tudo mentira
e que tu andas é a engatar-me
ahahahah



Ele - eles que pensem o que quiserem
tu se me conheceres melhor vais perceber que efectivamente nao preciso de engatar para dizer o que penso

Eu- eu sei disso

Ele - mas as tantas mais vale nao o fazer para nao te inibir
alem do mais nao deves explicacoes a ninguem ne
nao e muito mais excitante e agradavgel quando um homem trata uma mulher com carinho e meiguice mesmo que goste de a foder como um cavalo?

Eu - sem duvida
Ele - é a minha filosofia e quem gosta de mim assim tem tudo de mim.

Aviso à navegação

Ora meus queridos leitores, como já me fartei de dizer sempre a mesma coisa e para evitar que no futuro se repita, informo que apesar de já ter feito experiências a 3, eu mais 2 homens, todos perguntam se não gostaria ao contrário, 2 mulheres e um homem. Claro que sim, a pergunta seguinte é sempre hilariante, e já devem mesmo de saber qual é. "Tens uma amiga que alinhe nisso?", quando digo que sim, eis que se passam por completo.



Só peço que entendam que essa é uma das maiores fantasias de qualquer homem e minha também, pois quero experimentar tudo o que estiver ao meu alcance.
Entendam também que tenho imensos pedidos para essa experiência e nem sempre as coisas são como a gente quer.
Sei que também não é fácil encontrar uma mulher que alinhe nisso mas há sempre alguém que o quer fazer.


domingo, 7 de junho de 2009

Only You

Quando estamos juntos, os nossos corpos revelam o que nos vai na alma. A paixão já nos alcançou, o resto fica por nossa conta.

Tu, que és mais do que tudo o que aqui se passa e passou, eu sou a Eva quando quiseres, e serei a outra sempre que precisares.



Obrigado por entrares neste cantinho que é só meu.

Para ti, com muito carinho.
Bjs

Para o Planeta M.




Não estás esquecido. Foste muito especial.

O oposto

Começo a ficar nervosa com o aproximar da hora. Combinei uma queca a 3 e estou, digamos que aflita, porque não sei o que me espera.
São coisas do Surferboy, é estranho, um gajo como ele, que parece ser de um nível mais ou menos, anda-me armado em maluco e por vezes não tem maneiras.
Pouco o conheço embora ao princípio andasse entusiasmada com ele, mas chego à conclusão que ele não dá para nada. Quer foder mas vive com a mania das doenças e com medo que o preservativo se rompa. Assim não há foda que aguente.
Enviei então sms a perguntar como era e ele disse que ainda estava um pouco longe mas que não devia de demorar, estava eu cheia de fome e nunca mais, o amigo já estava despachado mas ele nada.
Já perto da 13.45, liga-me a dizer que esta para chegar, vou ao wc antes de sair e vou ter com ele. Já tinha chovido imenso e assim que saio começa outra vez a chover. Apanhei uma pequena molha pois estava de sandálias, estava vestida à Verão.
Entrei no carro e lá estava ele com aquele ar de quem não parte um prato. Andamos um pouco e depois pediu-me um beijo. Disse que era só agora porque depois ia meter os dois paus na boca e não achava boa ideia. Só aí as coisas não me agradaram. 




Fomos então e lá fui conversando com ele e acabei por lhe confessar que já me tinha estreado no mundo das fodas a 3. Ficou um pouco retraído porque eu tinha-lhe dito que eles seriam os primeiros mas como nunca mais acontecia, acabei por me adiantar.
Disse-lhe que adorei a experiência e que queria repetir e para provocar, fui mostrando fotos que tinha no telemóvel. Pela expressão dele, aquilo não lhe estava a agradar e quando percebeu que eu conhecia várias pessoas, ficou assustado e lá veio a conversa das doenças, outra vez.
Comecei a ficar farta da situação e depois para ajudar, choveu o caminho todo, não sei bem quantos quilómetros fizemos mas foram bastantes. Ainda quis que o mamasse pelo caminho mas não dava mesmo, não posso dizer a razão.
Toquei-lhe mas nada mais e senti que estava bem duro. Chegando ao local, lá estava o amigo na área de serviço à nossa espera. Nem quis olhar para o lado, estava mesmo com receio de ver o que me esperava. De repente, fui abordada pelo meu lado direito, assustei-me porque não dei conta de ele sair do carro e como chovia imenso, nunca pensei que o fizesse.
Digamos que não me agradou muito, até porque parecia mais velho do que ele me tinha dito, mas revelou-se uma pessoa simpática.
Seguimos viagem e começa mais um stress pelo caminho, o almoço, ninguém tinha almoçado. Entramos num restaurante típico, daqueles que eu adoro mesmo e onde se come bastante bem. O Surferboy passou-se porque queria almoçar algo leve e não podia perder tempo, o amigo que queria comer bem e estava mesmo nas calmas. Pedi espetadas de peru grelhadas e o amigo cozido à portuguesa. Para quem vai dar uma foda a seguir, não é muito bom mas a fome era muita e tínhamos mesmo de nos alimentar bem, pelo menos eu que ia levar com os 2.
Levou imenso tempo a chegar o almoço, e depois ainda fumamos um cigarro e chegamos à brilhante conclusão que tínhamos de ir comprar lubrificante. Chegamos ao centro, eu não conheço nada para aqueles lados, e estava um trânsito tramado mesmo. O Surferboy stressava novamente, porque tem imenso trabalho para fazer e porque vai de férias e quer deixar tudo feito e mais sei lá o quê e acho que se tivesse de carro, tinha-me vindo embora.
Chegando a casa, ele toca-me logo no peito, começa então a ficar duro e o amigo à nossa espera na sala. Assim que lá chego, sou logo apalpada por ele, mas que homem tão quente e cheio de tesão. Comecei-me a rir porque estava mesmo atrapalhada.
Passamos para o quarto mas pedi para ir ao wc. De tão nervosa que estava, nem consegui fazer xixi. Fui então à sala e sou outra vez apanhada pelo amigo, vamos-lhe chamar Tiago.
O Tiago começa outra vez a me tocar e sinto que ele gosta mesmo de sexo. Fomos em direcção ao quarto que já estava preparado para nós. O comentário do Surferboy, foi que aquele quarto fazia-lhe vir à memória, a foda que tinham dado a 4 e que mais tarde vim a descobrir que também não tinha corrido bem.
Deitei-me na cama e o Tiago salta-me para cima e apalpa-me, o Surferboy já se estava a despir, outra coisa que não achei graça. Esta gente não sabe ser sensual e tornar estas coisas mais picantes. Podiam-me ter feito as coisas de maneira diferente mas não, "vamos lá despir e foder que é para isso que aqui estamos."
Despi-me também mas não por completo, vejo o Surferboy já sem roupa e o amigo também, o Tiago beija-me o corpo e ai sou mesmo obrigada a tirar o resto e de repente quando o Tiago está a mamar as minha mamas, o desata-se a rir que nem um perdido. Toco-lhe no caralho e reparo que tesão não há. Ui, isto não vai dar em nada. O amigo ignora-o mas eu não consigo, pois quero-lhe tocar e ele continua sem tesão enquanto o Tiago está ali doido para me comer.
Assim de um momento para o outro, aparece o amigo sem cuecas a pedir para o mamar, xiça, nem tive tempo de dizer nada, fiquei de boca cheia mas estava uma delícia, cheiroso como eu gosto e saboroso também.
O outro lá ficou com tesão e quando vai para me foder o cu, toma lá que aquilo se vai abaixo. Para o meu cuzinho, tem mesmo de ser um bem teso, ele é apertado e não é fácil de se lá entrar, depois de estar lá dentro, é uma maravilha.
O amigo é que fez tudo e ele nada. Até o mamei por cima do preservativo, que sabor fantástico, a borracha, arrghh, e nada, estava morto, matado e morrido. Achei curioso o Tiago me pedir para lhe chupar os mamilos, ele adorava, é mesmo um homem de 50 anos muito quente, sangue africano, nunca pensei que assim fosse.
Fodeu-me a cona com os dedos, chamou-me puta, deu-me umas palmadas, fez tudo direitinho o outro parvalhão é que se estava a passar de vez e já tinha trocado de preservativo uma 300 vezes.
De um momento para o outro, o Tiago disse-lhe para sair do quarto e não incomodar mais,e enquanto isso, o amigo fodia-me por trás e lá se veio. Aguentou imenso tempo mesmo, é inacreditável mas foi bom, muito bom mesmo.
Depois de tudo acabado, vesti-me, o Tiago foi tomar um duche e o Surferboy também se vestiu.
Reparei que o clima ficou estranho e quando nos fomos embora, o Tiago nem sequer olhou para mim e nem se despediu. Sinceramente eu não tive culpa da travadinha que o Surferboy teve, mas ele já sabia bem que a coisa não funcionava assim e se já não tinha corrido bem uma vez, agora também não ia correr.
Pelo caminho ele contou-me que já tinham estado a 4 e que tudo tinha corrido mal, cada um tinha a sua gaja mas nem assim ele se conseguiu entusiasmar.
Depois do Tiago ter fodido com a amiga e depois de já terem tomado banho, é que a outra disse ao Surferboy que ele ia conseguir e segundo ele, ficou com um tesão enorme e lá conseguiram foder. Comigo nem isso aconteceu, pois o raio do stress dele com o trabalho e as férias, tiravam também a vontade a qualquer um. Ainda lhe perguntei se queria parar pelo caminho mas disse que não.

De regresso a casa, e visto que perdi uma tarde de trabalho para nada, enviei sms à minha paixão, ele disse-me que estava de folga nesse dia e sinceramente se soubesse que iria ser assim, preferia mesmo estar com ele.

Adoro fodas a 3 mas desta vez foi completamente o oposto de 2ª feira.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Podias ter avisado

Ja te tinha conhecido numa outra altura. Só 26 anos, és tão giro e simpático, contudo não me pareceu que eu te tenha agradado.
Estivemos algum tempo sem falar e desculpaste-te com o trabalho. Sou loira mas não burra e só não vejo o que não quero.
Lá ficou então combinado o 2º encontro mas a conversa dessa tarde no msn, revelou-se interessante e cómica. Disseste que eu tinha ar de ser uma pessoa necessitada, não entendi bem essa parte mas lá te explicaste. Quis saber porque dizias isso, a resposta foi que eu transmitia isso no olhar. Primeiro a idade que me deste foi muito mal dada e depois essa avaliação ainda pior.
Deu-me mesmo vontade de rir, acredita que sim porque te quis espetar com o blogue na cara para poderes ver com quem estavas a lidar. Não o fiz porque não sou assim, deixo sempre que as coisas aconteçam ao seu ritmo.
Chegando a noite, lá nos encontramos. Pediste para ir de vestido e assim o fiz. Seguiste-me até ao local do costume.
Passaste para o meu carro. Estavas com as mão tão frias. Reparei que a tua atitude comigo, tinha mudado. Da outra vez estiveste distante e nem um toque se deu, mas desta vez, quiseste logo tocar-me no cabelo.
Ainda andamos por ali sem nada fazer mas eis que me beijaste. Gostei imenso dos teus lábios, são doces. Passaste as tuas mãos pelo meu corpo e enquanto isso demos um beijo longo, mas longo mesmo.
Trocamos caricias, tirei as minhas cuecas para que me pudesses sentir, que bom que era, eu ali de pernas bem abertas, vestido curto a sentir-te entrar em mim com os teus dedos.
Deitaste o banco e eu tirei-te as calças. Que lindo pau que tens, rapadinho e lindo de se ver. Gostei mesmo, cheiroso também. Meti-me de joelhos e beijei-te, acariciei-te e devagar cheguei lá.
Com a língua brinquei um pouco, gosto sempre de explorar o terreno assim, quis dar-te tesão, tu brincavas também com a minha rapadinha.
Decido então mete-lo na boca e assim do anda, fizeste algo de mau gosto, vieste-te sem sequer me avisares, o que me lixou mais ainda, foi nem sequer ouvir um gemido, quer dizer, um orgasmo sem emoção!!!!! Terá sido assim tão mau???!!! Um orgasmo é um orgasmo.


Disse-te mesmo que podias ter avisado mas fizeste-te de parvo e detesto isso.
Fizemos um descanso e mostro-te então as fotos que tirei da experiência a 3, quis-te provar que afinal eu não sou assim tão necessitada. Já recuperados, voltas a investir na minha rapadinha, completamente doida, peço-te para me foderes e então meto-me de quarto. Gostei da rapidez com que colocaste o "balão", como diz um amigo meu. É então que te sinto a entrar em mim, que bom que estava, nem sequer me magoaste. Quando estávamos no melhor momento, ou seja, eu prestes a ter um orgasmo, eis que aparece por ali um carro, que estaciona e fica de luzes acessas, foda-se para estes empata fodas. Não saiu mais dali e o outro casal que estava perto, também não deve de ter gostado.
E assim foi, ficamos com a foda a meio, já era meia-noite e eu tinha mesmo de ir senão teríamos continuado mas valeu na mesma, eu curti só não sei se vou repetir contigo. Fica a dúvida.

Surpreendeste-me

Mais um fã do meu blogue. Revela-se misterioso, o que até acho interessante e está também relutante em se mostrar. Não tive problemas e mostrei-lhe como era eu.
Vi a sua foto e agradou-me aquele ar descontraído, mas confesso que a foto era um pouco diferente da realidade, aliás, quase sempre o é.





Combinamos  para nos podermos conhecer, tenho pena que não tenha dado no dia que foi combinado porque acho que se iria revelar uma experiência fantástica e digo isto por causa do que me disseste que querias fazer.
Ficou então para outro dia e reparei que estavas bastante nervoso, eu também estava porque no entanto enviaste-me uma foto de como estavas agora o que me agradou bastante e me fez mesmo combinar rapidamente.
Chegando ao local combinado, fiquei surpreendida quando te vi. Continuas a ser diferente mas gostei do teu à vontade. Demos dois beijos e ainda me deste um beijo no cabelo, foi tão querido da tua parte e adorei.
Fomos até ao Guincho, eu não podia demorar e passaste para o meu carro. Falamos um pouco e deu para notar que te querias aproximar de mim. Por fim, beijaste-me, sim, gostei do teu beijo. Foi suave e saboroso e senti também as tuas mãos a precorrerem o meu corpo. Senti que estavas desejoso de o fazer mas foste um cavalheiro e não insistes em momento algum, fazer algo que eu não queria. Respeitaste o facto de eu ter o tempo limitado. Isso não te impediu de me tocares, de me provares com os dedos, estava mesmo a ser bom.
A certa altura querias que eu ficasse na posição em que estava e saíste do carro, deste a volta e abriste a minha porta, disseste que me querias provar ali mesmo, mas não me senti à vontade par isso. Queria sim mas depois de termos conversado e termos estado juntos, acho que temos direito a algo mais sossegado e privado.
Quero-te sentir sim. Quero ver, quero entender o que se esconde aí por trás.

terça-feira, 2 de junho de 2009

Algo diferente parte II

Aqui fica o relato de quem viveu a experiência comigo e que me pediu para postar.

Algo diferente II.....a minha versão. Já seguia o teu blog há algum tempo e sempre me cativou a atenção. Sempre achei que eras demasiado parecida comigo em todas essas loucuras. A forma de vermos o sexo e de o vivermos. Quando me pus em contacto contigo e vi que respondeste achei que sim podíamos ter uma hipótese de nos conhecermos e ser bom. Marcamos um cafezinho para um Sábado á noite com a garantia de que só nos íamos conhecer e conversar um pouco.Foi excelente o café e penso que passado meia-hora de conversa já ambos nos atraíamos mutuamente embora tivéssemos no nosso canto da mesa.Foi quase ao chegar ao carro que nos tocamos pela primeira vez e que sentimos que o mundo parou. Meu Deus, essa tua boca faz milagres.milagres. Já dentro do carro ficamos doidos de tesão com os amassos e o sentir dos nossos corpos.Adorei sentir tuas mamas e tu ficaste de boca aberta com o quão rijo estava o meu pau. Nessa noite não podias mas combinamos para o dia seguinte. Sinceramente pensei" Vai-se cortar, vai-me dar o banho". Mas acordei com uma sms tua a dizer "Minha tesão estou pronta as 11h30 , podes-me vir buscar?". Fogo saltei da cama e fui tomar o pequeno-almoço e um belo banho. Seguimos para um Shopping onde almoçamos e acho que isso foi o que nos fez ficar mais atraídos um pelo outro. Partilhamos historias intimas. Falamos do nosso passado. Até da família falamos.Porra conheço-te há 24 horas(menos até) e já sabemos tanto um sobre o outro.Foi tão bom e tão diferente. Seguimos para o motel. Este não conhecias. É perto da casa de um Ex teu. Eheheh. Entramos e deitamo-nos na cama. É então que acontece o inexplicável.O BEIJO.Vocês estão a ver aqueles filmes em que tudo pára com um beijo? Pois ali para os lados de Sintra o tempo parou quando eu e a minha "leoa" nos beijamos. O Chão tremeu, o céu explodiu e o tempo parou. Foi o Beijo da minha vida. Posso ser lamechas mas dei o BEIJO da minha vida. E demorei 30 anos para dá-lo. Foi a ti minha leoa linda que me fazes sorrir. O que se seguiu foi tal e qual como ela já descreveu no post "Algo diferente". Muita entrega, sensações boas e eu da minha parte apenas posso dizer. Ainda hoje passados dois dias tenho a garganta arranhada do grito que dei. Ehehe. É impossível esquecer o calor que emana do teu corpo. A temperatura que advém da tua cona quando te beijo lá em baixo( passo-me mesmo). Adorei quando elogiaste as minhas mãos. Adorei quando ficamos abraçados sem dizer nada. Por vezes o silêncio é a melhor palavra para dizer "GOSTO DE TI"  Para alguém que me deu uma tarde inesquecível, só tu e eu sabemos o que aconteceu naquele quarto. Beijos minha leoa do teu leão.

Mr. C.

A minha 1ª vez a 3

Conheci o Rui (nome fictício) pela net, era policia, já falamos á imenso tempo e as conversas andavam sempre em torno do mesmo, sexo. Trocamos de contacto e ele ligava-me de vez em quando, gostei da voz dele mas confesso que as conversas dele assustavam-me.
De vez em quando ligava-me para dizer o que queria fazer comigo, para contar as histórias deles e notava mesmo que ele era bem louco e por isso nunca o fui conhecer pessoalmente.
Um dia decidiu falar de mim a um colega, também policia, mostrou-lhe o meu blogue e o colega adorou. Reparei que era bem mais calmo do que ele e um dia, depois de lhe dizer que ele podia dar o meu contacto, o amigo liga-me. Esta parte da história já foi relatada no post “Na Brisa da Noite”.
Com isto tudo, é claro que conheci o amigo primeiro que o conheci a ele. Gostei imenso e senti-me mais segura de modo a que fosse possível uma experiência a 3.
Combinamos por diversas vezes mas como a vida profissional e familiar de ambos, não permite assim tanta disponibilidade, os encontros foram desmarcados até que finalmente chegou o grande dia.
Antes disso, já ia conversando com Ricardo (nome fictício), que é o amigo do Rui.
Combinamos que para provocar o Rui, ele me iria despir em frente a ele e me ia apalpar as mamas, achei imensa piada a isso porque sei que ele ia mesmo ficar doido de tesão.
Chega o dia, estava nervosa porque não conhecia pessoalmente o Rui, e apesar de já ter visto uma foto dele, nada me dizia que ele seria assim mesmo. Quando o vi, não achei grande diferença. Talvez pensasse que ele fosse um pouco mais alto. Posso dizer que me agradou imenso.
Quando chego de carro, eles já lá estavam. Vi o carro mas não havia sinal dos dois, andavam a passear, pois eu atrasei-me um pouco. Eis que aparecem, com um estilo fantástico, adoro principalmente o estilo do Ricardo, digamos que é mesmo uma tentação. Atrás vinha o Rui, também em grande estilo, e de repente dou comigo a pensar o que estava eu ali a fazer e também a pensar, que as pessoas que nos viam aos 3, não imaginavam sequer o que iríamos fazer.
Falei a um e fui apresentada ao outro, finalmente. Decidimos como iríamos fazer de modo a que fosse possível irmos num só carro. Fomos então no meu e comigo a conduzir, eu sabia bem o caminho e seria muito mais fácil.
No entanto a viagem revelou-se um pouco difícil até ao local, pois eles entusiasmaram-se e não me largavam. O Ricardo só dizia “Olha bem para estas mamas”, o Rui bem queria olhar e reparei que estava mesmo entusiasmado. De repente, já sentia 4 mãos a tocarem-me pelo corpo, e eu a querer conduzir.
Como ia de vestido, não era difícil eles tocarem onde quisessem e então o Docinho não perdia tempo em me tocar nas pernas e também de me estar sempre a elogiar. É tão bom ser a personagem principal nestas situações.
Ainda a conduzir e a tentarmos ver como é que podíamos entrar no motel sem um deles ser visto, o Ricardo decidiu que eu tinha de sentir o pau duro que já tinha, tira-me uma das mãos do volante e leva-a até lá. Bem, que tesão, que loucura aquilo se estava a revelar. O Rui também queria mas eu bem dizia que só tinha 2 mãos e que precisava de conduzir.
O Ricardo quis então mostrar ao amigo como eram as minhas mamas e em plena condução, tira uma para fora e mostra-lhe o bico, sinto as mãos do Rui a tocarem.
Fartei-me de lhes pedir que parassem porque estava a ser demais, aquele curta viagem estava a ser alucinante e o facto de irmos ali naquela aventura toda, era muito excitante, porque passavam carros por nós, sem saberem o que se passava ali.

Parei antes de chegarmos para um deles se passar para a mala do carro. Que cena, ele a meter-se lá dentro e os carros a passarem. Ainda pensavam que o rapaz estava a ser raptado. Claro que a vitima foi o Ricardo.
Fui devagar até porque o caminho apesar de ser curto, era, digamos, um pouco instável devido às curvas e também ao piso que não era alcatroado. Ele só queria sair lá de trás e o Rui não parava com conversas malucas e também de me tocar.

Paramos na recepção, fiz o meu pedido, e pedi de oferta champanhe. Fomos par o quarto 53. Assim que entramos, o Ricardo salta lá de trás, mas tem de esperar que eu saia porque a mala só abria com a chave. Fecho o portão, acendo a luz e lá sai ele. Assim que saiu, fui pura e simplesmente invadida por 4 mãos que me tocaram em todo o lado, sentir aquele calor foi demais. Fiquei feita sanduíche, no meio deles, um deles levantava-me o vestido para me ver o rabo e dizer que era fantástico, mas o tempo que tínhamos era pouco e eu queria aproveitar ao máximo o que tínhamos.

Tirei as coisas do carro e subimos. Abri a porta do quarto e eles adoraram, aquela luz vermelha, é demais.
O Ricardondespiu-se logo, ficou em cuecas, aquele corpinho tira-me do sério, aquele ar de quem não parte um prato, também. Foi ao wc e enquanto isso o Rui, pediu que o despisse, assim o fiz. Fui interrompida com as investidas do amigo, que me agarrou por trás. Lá consegui tirar a roupa, não por completo porque no entanto ele decidiu meter-se em cima da cama, com o caralho todo teso, a pedir para o mamar. Eu nem quis acreditar que estava ali, com aqueles dois, que me iriam comer e eu a eles.
Começou então a festa, ainda liguei a TV no canal Vénus para nos entusiasmar mais um pouco.
Foi com grande satisfação que comecei a mamar o Ricardo, é mesmo delicioso aquele caralho, enquanto isso, com a outra mão, agarrava no pau do Rui, que já estava todo babado. O outro só dizia que adorava a minha maneira de chupar, que a minha boca era quente, como vimos que o Rui estava a ficar também com vontade de a sentir, trocamos e eis que o Ricardo, veio para trás de mim e enfia-me os dedos na cona. Descontrolo-me porque a tesão já era demais.
O Rui deita-se na cama e continuo a mamá-lo e o amigo já estando com vontade de me foder, mete o “balão”, de repente só confrontada com algo a entrar na minha cona. Pedi-lhe que fosse devagar, porque o dia anterior tinha sido puxado uma vez que passei a tarde toda a foder. Assim o fez, embora eu sentisse ele chegar bem fundo.
Meti-me então em cima do Rui, também já com um “balão” e comecei a foder, ui, que delicia que estava a ser, nós os 3 ali, com aqueles espelhos todos e a conseguir ver as nossas figuras malucas a foderem.
Enquanto fodo o Rui, o amigo mete-se em pé com o pau prontinho par ao mamar, xiça, foi do caralho mesmo, eu com um na cona e com outro na boca. O Rui só dizia que eu fodia mesmo bem e que era uma grande vaca, uma grande puta como ele gostava, disse também que eu era mal aproveitada, que não me sabiam explorar como deve de ser. Comentou o facto de eu lhe conseguir sugar o caralho com a cona, engraçado, quase ninguém fala nisso mas os que falam, dizem ser uma sensação muito boa.
Depois de tantas trocas e garrafa aberta e de tantos preservativos gastos, eis que monto o Ricardo e por trás vem o amigo, quer-me foder o cu enquanto o outro me fode a cona. Antes ainda houve tempo para a sessão fotográfica.
Foi uma sensação daquelas, foi simplesmente descomunal, sentir dois caralhos dentro de mim. Perdi a noção do que ali se passava e não tive reacção porque era bom demais, o Ricardo que estava por baixo dizia que eu estava a fugir, mas não, o Rui é que me obrigava a fugir porque me estava a foder o cu.
Estivemos assim um pouco sem termos orgasmos e eis que eu decido que quero uma foto com os 2 caralhos na boca, fizeram-me a vontade claro.
Depois disso foi brincar com um e com o outro, mamava num e mamava no outro, que tesão me dava. Até que tinha de os fazer vir.





Primeiro o Ricardo, mamei-o com uma satisfação que viria a ser recompensada com o leitinho dele, e qual o meu espanto que me deparo com leite doce, nunca mas nunca mesmo, apanhei alguém assim, com um sabor tão gostoso.
Segue-se então o amigo, também ele com o pau delicioso para ser chupado, e eis que depressa se vem, também na minha boca, e depressa senti o contraste do doce para o amargo.
Adorei aqueles dois caralhos na minha boca.
Depois de limpos e de descansarmos um pouco, abracamo-nos os 3 e tiramos uma bela foto. Falamos, brincamos e rimo-nos bastante e foi muito curioso o à vontade com que eu estava.




No entanto, quando estava com o Rui, ele magoou-me e tornou-se difícil continuar a foder na boa com eles. A pausa ajudou a recuperar um pouco e mais uma vez, meti-me em cima do Rui, pedi ao Ricardo que me puxasse os cabelos e estava quase a ter um orgasmo. Depois fiquei em cima do Ricardo e com ele enfiado na minha cona o enquanto o Rui me fodia o cu. Não foi preciso muito para ter o orgasmo, porque assim que ele me penetrou, eu senti que me estava a vir e nem consegui soltar um gemido, tal não foi a sensação que tive.

Saltei de cima deles porque fiquei de rastos, fiquei mesmo com as baterias em baixo, tinha sido um orgasmo mesmo intenso e bom demais e que jamais irei esquecer.
Deitei-me a descansar e como estava quase na hora, eles decidiram que tinham de se vir mais uma vez. O Ricardo bateu uma para mim e deitou-me o leite todo na cara e na boca, foi lindo de se ver e de se sentir. Depois disso foi a vez do amigo, ainda o mamei um pouco mas ele acabou por bater e vir-se nas minhas mamas. A foto foi tirada embora não se perceba muito bem e não seja publicada.

Fomos todos ao banho, um duche rápido para irmos embora mas antes ainda andei a recolher os 500 preservativos que ficaram espalhados por todo o lado. Parecia que tinha havido uma batalha campal naquele quarto, sei lá quantos preservativos apanhamos, ou melhor, apanhei e onde eles estavam, havia por todo lado.

Resta-me dizer que adorei estar com vocês. Se estive à vossa altura, não sei, mas foi a minha 1ª vez. Sei que vos quero sentir outra vez e desta vez com mais loucura.

Adoro-vos tesudos.

Algo diferente

Algo especial se passou neste dia. Algo que nem eu sei explicar.
Depois de nos conhecermos, e de termos saído nessa noite, combinámos para o dia seguinte.
Teve direito a novo encontro porque senti que nessa noite, algo estava a acontecer.

Almoçámos nas calmas e fomos até ao motel que eu não conhecia e que me deste a conhecer.
Chegando lá, pusemo-nos à vontade, deitamo-nos na cama e beijámo-nos, estivemos assim um bom bocado e depois eu agarrei em ti e deitei-te um pouco à bruta, vi que gostaste do que tinha feito e beijei-te como se beijasse alguém com a alma.
Depois de me ter roçado em ti e ter atiçado um pouco mais o desejo que sentíamos um pelo outro, eis que me deito na cama e voltamos a trocar uns beijos e um deles foi bastante especial.
O que senti não sei, mas posso dizer que a minha alma, saiu do meu corpo, e nesse momento, nada mais existia.
Com esse beijo, entregámo-nos um ao outro, como se fossemos uma só pessoa. Perguntaste se eu tinha sentido o mesmo que tu mas como reparaste, as minhas respostas eram sempre muito evasivas, porque eu não sei bem o que se passou ali.
Durante toda a tarde estivemos assim, aparvalhados e a tentar compreender como é que 2 pessoas que se conheceram no dia anterior, conseguiam ter tanta cumplicidade e serem tão parecidos, tanta coisa que temos em comum, incluindo as aventuras malucas que tivemos com outras pessoas.
Em vez de estarmos ali a foder que nem uns doidos, estávamos armados em lamechas, a tentar compreender o que se passava. Penso que há coisas que não têm explicação.
Depois de ultrapassarmos essa fase, decidimos passar à acção.
Beijaste-me as pernas e eis que chegas ao meu sexo, já tinhas manifestado grande vontade de me sentir, de sentir o meu gosto e foi isso mesmo que fizeste. Com a tua língua, deste-me um prazer enorme e com os dedos mais prazer ainda, e foi ai que tive o primeiro orgasmo estava completamente molhada e doida para te sentir.
Ainda te provei, estavas delicioso mas quis mesmo foi ter-te dentro de mim.
Meteste o preservativo, e meti-me em cima de ti, que delicia te sentir, senti que batias lá mesmo no fundo, mas depois de encaixado, tudo estava bom, tudo estava perfeito e foi como se nos fundíssemos em um só.
Começaste a soltar aquelas palavras mais loucas, eis que tenho o meu segundo orgasmo, que foi alucinante. Sou muito clitoriana e não é fácil ter um orgasmo a foder ou sem me estimular.
Sem sair de cima de ti, continuo ali, a sentir-te bem dentro de mim e eis que rapidamente chega o terceiro orgasmo.
Preciso de descansar e saio de cima de ti, extasiada por ter conseguido algo que não conseguia à muitos mas muitos anos e já te falei sobre isso.
Ficámos agarradinhos, como se o mundo fosse acabar ou talvez como se fosse a nossa primeira vez.
Disseste-me que estava a ser especial mas eu não tive grande reacção para o que dizias, talvez por receio, talvez mesmo por não entender o que se estava a passar.





O teu telemóvel não pára de vibrar e recebes então uma chamada que me deixa curiosa, pois pediste-me para ficar em silêncio, para não fazer qualquer tipo de barulho. Não percebi quem falava contigo mas também não perguntei. Em seguida recebes outra chamada, era a tua mãe e ai percebi que quem te tinha ligado antes, tinha sido alguém especial, alguém que não me falaste no dia anterior. Só não entendo porquê. É então que te pergunto quem te tinha ligado e tu disseste que era alguém muito especial e que não querias que ela soubesse que andavas com outras pessoas. Perguntaste também se me tinha incomodado mas olha que nem me lembro o que respondi.
Estava tudo confuso e o calor do momento por vezes faz-nos ter certas atitudes que depois se revelam erradas e por isso acho que embora não saiba qual tenha sido a resposta, de certeza que disse que não, que não me incomodava.

Refeita de tantos orgasmos, ainda faltavas tu e metes-te em cima de mim, que delicia que estava a ser, e avisas-me que quando te vens, que costumas gritar, e a prova disso, estava mesmo para acontecer. Adorei ouvir-te soltar esse tesão todo que tinhas por mim.

Tomei então um duche e fomos embora.
Lá ia eu toda confusa e ainda hoje, dois dias depois, sinto-me assim. Nada como deixar as coisas levarem o seu ritmo. Sabemos como somos, sabemos que gostamos de aventuras e pronto, acho que não preciso de dizer mais nada.

És especial e sempre serás Mr. C.
Adoro-te

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Ai os meus joelhos

Já tinha recebido sms a dizer que me esperavas e rapidamente cheguei. Lá estavas tu na carrinha, a tal que iria servir de palco para uma foda descomunal.
Estava de vestido e o vento era algum ainda, os leggins não estavam desta vez. Só iriam atrapalhar por isso quando cheguei, acendi outro cigarro e tu fizeste o mesmo. Não me cheguei a ti porque já ia quentinha e tinha a sensação que se chegasse muito perto de ti, saltava-te em cima.
Disseste para me chegar e mesmo antes de acabar de fumar, beijaste-me, senti logo ali, como estavas. Doido por completo e eu também.
Acabando o cigarro, fui ao meu carro e quando cheguei já tu estavas com a porta traseira da carrinha aberta, estavas lá sentado o que me deu um imenso gozo. Meti-me de costas para ti e rocei-me, como só tinha o vestido e as cuecas, conseguia sentir perfeitamente o toque da minha pele na tua roupa e também o volume que tinhas.
Fui novamente ao carro buscar os preservativos e uma toalha, tu já estavas dentro da carrinha. Bem, o resto foi demais, depois de alguns preliminares, meti-me de 4, naquele chão duro que fazia hematomas a qualquer um, e tu por trás fodeste-me que nem um louco. Já não aguentavas os joelhos e foi então que te pedi para me foderes o cu. Que tesão foi, sentia-te a pingar do calor que estava na carrinha, do calor que criamos só os dois.




Assim que o enfiaste, pedi-te que fosse devagar para te sentir bem e para não me magoares, foi tão bom mesmo, e depois então pedi-te para me foderes o cu com mais força ao mesmo tempo que me estimulava. Sinto que vem aí o meu orgasmo e aviso-te gritando que nem uma maluca. Que tesão foi, adoro os orgasmos assim, com ele enfiado no cu.
Paramos para descansar os joelhos de ambos, e deitaste-te para descansar, estavas completamente molhado. Tiraste o preservativo e foi então que decidi mamar-te. Adoro esse pau gostoso, mas não estava fácil o teu orgasmo, o calor era demais, senti isso.
Lá com algum esforço, senti o teu leite na minha boca.
Saímos para mais um cigarro e para irmos então à nossa vida. Chego ao meu carro e tinha mais uma sms a perguntar se queria foder depois da meia-noite. Porra, estes gajos não me largam mesmo. 
Bem que tinha ido mas não dava, estava a ficar tarde mas seria maravilhoso estar com 3 diferentes numa só noite.